Mabon – Equinócio de Outono

Mabon – O equinócio de Outono e o dia de Ação de Graças no paganismo

Mabon, ou Equinócio de Outono, celebrado pelos praticantes de algumas crenças celtas, como a Wicca, em 22 de setembro pela Roda Norte e por volta de 20 de março pela Roda Sul.  Mabon é um dos três sabbats da colheita, e ocorre quando dia e noite tem a mesma duração (por isso é chamado de Equinócio).

É um período para celebrar a chegada do Outono, quando o deus Sol se prepara para partir e a Deusa, grávida, prepara-se para o nascimento do Deus em Yule.

Mabon é considerado como o Dia de Ação de Graças no paganismo, onde todos agradecem aos deuses pela boa colheita durante o ano. Após esse sabbat, os dias começam a ficar mais curtos e as noites mais longas.

Origens e costumes de Mabon

O Deus Sol começa a ficar mais fraco e se prepara para partir ao País do Verão, deixando sua semente plantada na Deusa, que se prepara para o nascimento do Deus Sol novamente, em um eterno ciclo de morte e renascimento.

Vamos lembrar que no paganismo em geral (não só na Wicca e vertentes) o conceito de morte definitiva não existe. Tudo se move em ciclos, em um eterno processo de morte e renascimento. É uma boa forma de pensar alguns aspectos da nossa vida.

Antigamente tanto o Sol como a Lua eram venerados pelos pagãos. Por conta disso, eles acreditavam que nessa época o Deus Sol estava morrendo lentamente, partindo para o país de Verão (por isso o inverno chegava). A Deusa estava grávida, o Deus Sol nasceria novamente em Yule e cresceria aos poucos, conforme as estações do ano fossem passando, até chegar ao seu auge, no Verão.

O dia de ação de graças, tão comumente comemorado nos Estados Unidos, baseia-se muito nas origens desse sabbat. É um dia para agradecer por tudo o que temos em nossa vida. Por isso é costume fazer um grande banquete com um monte de comida nesse dia.

Também devemos meditar sobre o que queremos para o futuro, devemos plantar nossas ‘sementes’ para germinar ao longo de nossa vida. É um momento para reciclar nossos sentimentos e pensamentos. 
Enquanto em Lughnasad comemora-se a primeira colheita, em Mabon agradece-se por toda a colheita ao longo do Verão.

Vale lembrar que antigamente era um costume muito comum agradecer e celebrar as colheitas, pedir proteção no frio, etc., porque a vida não era tão ‘fácil’ como agora (e nem tinham tantos supermercados…). É também um período para se preparar para o inverno que se aproxima aos poucos.

Celebrando Mabon

Existem várias formas de se comemorar esse sabbat, mas em geral os instrumentos rituais e a temática é a mesma. Deixo aqui um ritual simples para a celebração desse Equinócio, retirado do livro “Wicca – a religião da Deusa”, de Claudiney Prieto:
Materiais necessários:

* grãos de todos os tipos
* Caldeirão
* folhas secas
* 13 fitas de cores diferentes
* um galho de madeira
* três velas marrons
* cálice com vinho

Faça um triângulo com o vértice para cima utilizando as velas marrons e coloque seu caldeirão no meio dele. Trace o círculo e diga:

A roda do ano mais uma vez gira
Este é o sabbat da segunda colheita
A Senhora da abundância e o Deus da fartura abençoam o mundo com seus grãos
Abençoada seja a fartura da Terra!

Deixe uma resposta